• Profº Perrud

Como interpretar a proposta de redação

Atualizado: Abr 2

Um guia de leitura simples, com técnicas fáceis para você não perder 480 pontos

Você está lá ansioso, no dia do ENEM, com a perna balançando e nervoso com a prova, quando finalmente um dos aplicadores lhe entrega a folha, finalmente você lê a proposta. Mas não entende nada. Ou pior, acha que pode pular os textos motivadores e ler só a frase tema!

Pois saiba que, a proposta serve para várias coisas, na realidade, se a leitura dela não for feita de forma correta, você provavelmente vai acabar escrevendo toda a sua redação errada, como vamos ver em seguida.

Isso porque a folha que lhe entregam é dividida em duas partes, que vamos estudar aqui a fundo, entendo as principais técnicas para interpretar o texto, desde os textos motivadores até mesmo a frase-tema.

Mas, além disso, também vamos ver como cada texto da proposta pode dar o tom da discussão, isto é, cada texto motivador vai dar informação para seu planejamento, desde ideias de como introduzir o texto, até ideias de propostas de intervenção!

A importância da leitura atenta da proposta

O primeiro contato do estudante com a redação do Enem é a proposta, pode parecer óbvio, mas a questão é que os alunos tem o péssimo hábito de lerem essa folha correndo e começarem a escrever – há ainda um tipo de aluno, com hábitos piores ainda, que lê apenas a frase-tema.

Não pense você que eu estou exagerando, vejamos por exemplo o tema de redação do Enem de 2018, “Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na Internet”, vamos supor que você não é um dos alunos que fugiu ao tema, que já é a maior causa de zeros de acordo com o INEP (entre aqueles que fizeram a redação), mas faz parte de um grupo de alunos com um erro “menos” ruim: tangenciou o tema, que é, de forma simples, abordar só uma parte do tema.

Contudo, não pense que são alguns pontinhos perdidos, caso você tangencie o tema, você perde 480 pontos! Quase metade da sua redação foi para o lixo só por conta de um erro bobo e que você pode evitar.

Em termos práticos, vamos ver no Enem de 2018 o que foi definido como tangenciar:

“o encaminhamento que tratou apenas de assunto a ele relacionado, por exemplo, internet ou elemento do universo da internet (...) a manipulação do comportamento do usuário na e/ou pela internet, sem menção ao controle de dados; controle de dados na internet, sem menção à manipulação do comportamento do usuário.”, não parece tão diferente de “Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na Internet”, isso porque os alunos ignoram a forma correta de ser ler a proposta do Enem, eles focaram em apenas uma parte da frase-tema.

Mas como você vai saber o que é ou não para colocar na redação? Simples, você vai ler a proposta inteira e da maneira correta.

Para estudarmos a forma correta de ler, usaremos a proposta de redação do ENEM de 2017.

Lendo os textos motivadores

Logo que você se deparar com a folha da proposta, perceberá que ela é dividida em duas partes, a primeira, com textos motivadores, e a outra, que trata da proposta, que será trabalhada logo em seguida.


Aliás, não pense que eu escolhi o exemplo atoa, a redação de 2017 foi recorde em zerar provas por fuga ao tema, isso mesmo, parecia um tema fácil? Pois não é!

Você vai perceber que existem dois tipos de textos:

  • Os informativos, como o I, II ou IV;

  • Os não (puramente) informativos, como o texto III.

Como são tipos diferentes, requerem técnicas diferentes, por isso, os estudaremos separados.

Os textos informativos

São os textos que explicitamente tratam de uma informação, fato e similares. Quase sempre estão presentes, normalmente na forma de artigos de opinião, estatísticas ou documentos oficiais, mas podem ser de outras formas como, notícias de jornal.

Vejamos agora em um passo-a-passo simples como lê-los.

  1. Comece pelo título e subtítulo (se houver);

  2. Leia cada parágrafo com calma;

  3. Termine o texto lendo a fonte, não esqueça dessa parte, faz toda a diferença se um artigo de opinião foi publicado na página de um filósofo ou de blogueiro fitness, por exemplo.

Vejamos na prática, com o texto I:

Proposta de redação do ENEM de 2017, reproduzido apenas o texto I na melhor qualidade (HD)

Logo no título já identificamos que faz parte do código de leis que rege o país, mas mais que isso, ele deixa claro que se trata “DO DIREITO À EDUCAÇÃO”.

Dessarte, ao longo dos parágrafos, nos deparamos com o fato de que está tratando dos direitos das pessoas com deficiência, e mais que isso, afirma que “É dever o Estado, da família, da comunidade escolar e da sociedade assegurar educação de qualidade”.

Dessa forma, ele além de apontar o direito à educação, ainda aponta quem deveria ser os responsáveis para tal, dando assim ideias de como introduzir, argumentar ou, ainda, redigir a proposta de intervenção.

Por fim, o texto termina confirmando o fato de se tratar de uma Lei, para um aluno que por acaso não o tinha percebido ainda.

Todavia, tem textos dissertativos que não podem ser lido assim, são os dados estatísticos, seja, em gráficos ou tabelas, mas para eles, é só seguir os caminhos abaixo:

  1. Ler o título do gráfico/tabela, se houver;

  2. Ler os títulos dos eixos/colunas;

  3. Ler a legenda;

  4. Ler o gráfico/tabela propriamente;

  5. Ler a fonte.

Vejamos na prática usando o texto II da proposta.

A priori, sabemos que o título é “Matrícula de surdos na educação básica – educação especial”, que já deixa claro o assunto do gráfico. Seguindo com a leitura, vemos que ele compara a quantidade, seja em turmas especiais ou em turmas convencionais com inclusão, ao longo do tempo.

Tem duas análise possíveis, a primeira, e mais fácil, é que o número de alunos está caindo com o tempo, indicando que esta questão não só é atual como urgente, mas além disso, mostra que a mais alunos surdos incluídos em classes comuns que em classes especiais/escolas exclusivas, e o aluno tanto pode entender que há uma necessidade de escolas especiais, quanto para entender que seria uma boa solução fazer mais salas inclusivas.

É importante perceber que os textos sempre deixam alguma margem para interpretação! Há sim uma forma correta de entender/absorver a informação, mas não há uma forma correta de interpretar/usar a informação.

Os textos não puramente informativos

São os textos que são mais subjetivos ao tratar de uma informação, fato e similares, ou ainda, nem sequer estão tratando de uma informação diretamente, sendo antes, uma obra de arte. Nem sempre estão presentes na proposta. Em geral você vai reconhecer eles em anúncios, poesias e outras composições mais artísticas.

Vejamos agora em um passo-a-passo simples como lê-los:

  1. Comece da direita para a esquerda, lendo primeiro o texto e depois a imagem;

  2. Vá de cima para baixo;

  3. Não esqueça de ler a fonte.

Vejamos como isso se emprega no texto III.

Primeiro, se verifica a frase “Sou surdo e pós-graduado em marketing”, indicando já que os surdos tem acesso à educação, mas em seguida vem a frase “E na sua empresa, tem espaço para mim?”, quebrando a expectativa de que um pós-graduado teria trabalho e indicando o preconceito no âmbito profissional, por fim, termina com “Trabalho não tolera preconceito. Valorize as diferenças”, com a imagem de um homem no fundo e a fonte sendo do Ministério Público do Trabalho (MPT). Ou seja, o texto não indica propriamente a estatística de surdos com pós-graduação, nem a dificuldade que é para um surdo se formar, mas ainda sim, essa informação está exposta.

Poderia o aluno, por exemplo, perceber que a publicidade seria uma forma interessante de auxiliar na resolução do problema, ou ainda, perceber que não é só a falta de escolas que desestimula os surdos a estudarem. Os textos desse tipo, precisam ser muito bem analisados, para entender possíveis caminhos!

Lendo a frase-tema

Eu indico que você respire um pouco antes de ler a frase-tema e reflita o que você já leu nos textos motivadores, a depender da dificuldade deles (ou do seu nervosismo), esse tempo para digerir o que foi lido será necessário para ler corretamente a frase-tema.

Agora vamos ler propriamente.

Nesse caso, temos “Desafio para a formação educacional de surdos no Brasil”, é importante salientar algo óbvio, mas de extrema importância, o tema não é puramente “formação educacional de surdos”, nem é “dificuldade da educação de surdos”.

O tema deve ser interpretado na sua completude, focando tanto no núcleo (ou eixo temático), que é “formação educacional de surdos”, quanto nas suas partes complementares (recorte temático), que não são menos importantes, “desafios” e “no Brasil”.

Dessa forma, é importante que o aluno entenda, que o tema a ser trabalhado é as dificuldades da formação educacional das pessoas surdas no território nacional, nada de tratar das questões trabalhistas dessa população (como alguns alunos poderiam inferir pelo texto III), ou ainda, tratar da educação de pessoas surdas no mundo todo.

Portanto, sempre que terminar de ler os textos motivadores, respire, pegue meio minuto para pensar no que foi lido e reduzir, mesmo que brevemente, sua ansiedade. Em seguida, quando for começar a ler a frase-tema, se atente para todas as suas partes, que vão dar tanto o eixo temático que será trabalhado, quanto a delimitação esperada.

Conclusão

Primeiro eu te indiquei a importância da leitura da proposta por inteiro aqui, e vou repetir, se você tangenciar o tema perderá quase 500 pontos! Por isso, também ensinei qual a forma correta de se ler o tema e apontei o passo-a-passo para ler da melhor forma possível.

Espero que tenha ajudado, lembrando que você pode compartilhar esse post com aquele seu colega que está tendo dificuldades.

Além disso, você pode se inscrever no fim da página para receber nossas dicas de estudo por e-mail.

Lembre-se, viver pode ser bom.

;)

Que tal receber um aviso sempre que sair coisa nova?

Vamos ver como funciona?

Cada aluno tem suas metas, dificuldades e facildades. Por isso minhas aulas e correções de redação são feitas de forma única e personalizada, se adaptando ao tempo do aluno - tudo a

um preço justo.

Com material gratuito, relatório e tudo o mais para ajudar o aluno

  • Facebook
  • Instagram

©2020 por Vinicius Perrud